Agroturismo ou Turismo Rural – É o turismo praticado preferencialmente no campo, envolvendo atividades agrícolas, conservação ambiental e agregando valor a produtos e serviços da comunidade local. Os itens mais procurados nesta atividade são os Hotéis Fazenda e os produtos artesanais típicos que exaltam as raízes, costumes e tradições. Os estados mais buscados para o Turismo Rural ou Agroturismo são: São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Goiás e o Paraná.

Astroturismo – Trata-se do turismo de observação dos corpos celestes como estrelas, planetas, cometas, nebulosas e galáxias. Dentre os destinos que se destacam com condições privilegiadas estão o Chile, em especial o Deserto do Atacama e o Valle del Elqui. Bem como Great Barrier, a 100 km de Auckland, na Nova Zelândia, que, junto ao Chile a o Novo México (EUA) se tornou a primeira ilha a ser considerada um “Santuário Internacional de Céu Escuro”. Arizona, Califórnia, Nevada e Havaí, nos Estados Unidos também guardam lugares propícios para observar o céu com clareza. O Laboratório Nacional de Astrofísica (http://lnapadrao.lna.br/), localizado na cidade de Itajubá (MG) é o principal destino de quem se interessa pelo astroturismo no Brasil. Todos os anos, eles promovem o “Tardes e noites de portas abertas”, que convida o público a conhecer as instalações e a utilizar os telescópios do Observatório do Pico dos Dias, na Serra da Mantiqueira. Além disso, locais como o Parque Ambiental do Ipiranga (GO), o Nova Friburgo Country Club (RJ), a Serra do Itapetinga (SP), Paranaguá (PR), Novo Hamburgo (RS), o Parque Nacional do Caparaó (MG) e o Parque Nacional do Catimbau (PE) oferecem boas condições atmosféricas e de iluminação para a atividade.

No Paraná, o município de Campo Magro possui estrutura para este tipo de turismo. Outros locais como o Observatório do Pico dos Dias, em Brazópolis (MG) e o Vale do Capão, na Chapada Diamantina (BA) são opções viáveis. http://lnapadrao.lna.br/

Cicloturismo – Para os apreciadores das atividades físicas e mais especificamente das pedaladas, existe o cicloturismo que pode ir de um curto trajeto, até uma longa jornada por um roteiro planejado. Muitos destinos são cheios de ciclovias. Na Alemanha, por exemplo, é possível contar com mais de 70 mil km e 200 rotas de longa distância. No Brasil, ainda não é tão desenvolvido, mas, entre as boas pedidas estão o litoral paulista, a Cidade Maravilhosa e a Costa do Descobrimento, na Bahia. No estado vizinho, em santa Catarina, existem diversas rotas possíveis partindo de municípios como Blumenau e Florianópolis. No estado do Paraná, existem muitas formas de realizar o Cicloturismo, sendo que empresas especializadas organizam grupos para que esta viagem seja melhor aproveitada. Caso tenha interesse, comece estudando a atualização de um Guia que pode ser adquirido de modo físico, mas que já tem algumas informações básicas úteis, disponível em: https://www.olinto.com.br/wp-content/uploads/2015/04/2015-atualizacao-parana-I.pdf com acesso em 16/03/2020.

Ecoturismo ou Turismo Ecológico – Uma das principais e melhor desenvolvidas formas de turismo no Brasil, valoriza o meio ambiente e proporciona contato direto com a natureza, mas sem ser invasivo. Preservação e cuidado sãos os pilares deste tipo de turismo. No quesito dicas de onde ir, no Brasil a lista é longa. Contudo, vale destacar a Floresta Amazônica, Jalapão, as Chapadas, Fernando de Noronha, Lençóis Maranhenses, Dunas de Genipabu, Bonito. No Paraná, o campeão de visitações é Foz do Iguaçu.

Enoturismo – Combinando todo o universo da enologia, de conhecer vinícolas, saber mais sobre o terroir (solo), a produção e, claro, degustar vinhos, o enoturismo é um dos mais crescentes e em evidência no Brasil e no mundo. Produzindo vinhos desde o começo de sua colonização, de acordo com o Ibravin – Instituto Brasileiro do Vinho, o País é o quinto maior produtor vitivinícola do Hemisfério Sul. A região sul é uma das principais neste assunto, desde empresas tradicionais como a Salton, Miolo e Casa Valduga a outras mais jovens como Dunamis Vinhos, de 2010. No Paraná, algumas vinícolas já com premiações oferecem roteiros de visita como Colombo (Vinícola Franco Italiano), Quatro Baras (Família Fardo), Campo Largo (Legado), São José dos Pinhais (Araucária), Piraquara (Cave Colinas de Pedra)

.

Turismo Cultural ou Histórico –  Viajar para conhecer pontos históricos, artísticos e culturais ou mesmo aproveitar festivais e eventos tradicionais de um lugar. O turismo cultural ou histórico, trata de vivenciar um destino e seus patrimônios sejam eles materiais ou não, já que assim como no Turismo Rural, costumes e tradições também estão em evidência. Em suas ramificações estão o Turismo Cívico, o Literário e o badalado Gastronômico, que foca tanto na experiência da culinária típica, quanto colocar a mão na massa para criar pratos tradicionais. Dentre as boas pedidas deste segmento estão as cidades históricas de Minas Gerais, a região serrana do Rio de Janeiro, a Serra Gaúcha, Salvador e o Distrito Federal. No exterior sobram opções, mas Portugal e Itália são daqueles que não tem como não agradar. No Paraná, o turismo gastronômico está presente em todo o estado. Morretes com o barerado, Guaratuba, que apresenta a 3ª melhor ostra do mundo, Curitiba, com sua infindável possibilidade de agradar a todos os paladares e todos os municípios das regiões turísticas e suas rotas.

Turismo de Aventura – Um dos mais clássicos do setor para quem gosta de adrenalina. Abrange atividades ou esportes desafiadores, com risco controlado, e sempre com muita emoção. É comum em ambientes naturais e urbanos. Entre as modalidades que engloba estão arborismo, bungee jump, canionismo, canoagem, escalada, mergulho, mountain bike, paraquedismo, rafting, rapel, tirolesa, trekking e voo livre. Situadas no estado de São Paulo, as cidades de Brotas e Socorro são ótimas pedidas para se aventurar. No Paraná o turismo de aventura está presente em todo o estado, da costa leste à costa oeste.

Turismo de Compras – Não tem muito segredo é a opção para os consumistas de plantão. Aqui o turismo está diretamente associado a lugares que são conhecidos como boas opções para umas comprinhas. Ou seja, muitas cidades dos Estados Unidos com seus outlets, com destaque para Miami e Orlando, e destinos caribenhos que são zona livre de impostos, como Aruba, Barbados, Curaçao, Granada, Ilhas Cayman, Jamaica e St. Maarten/St. Martin. O polo produtor de moda no Paraná em Cianorte e Maringá recebe turistas o ano inteiro.

Turismo de Negócios e Eventos – Um dos mais rentáveis do setor, isso frente ao fato que o turista de negócios e eventos tende a ter maior gasto médio que o de lazer, é também um ótimo mecanismo de marketing para um destino. A modalidade engloba atividades como visitas técnicas, reuniões, exposições comerciais, compram e vendam de produtos e serviços, encontros programados, congressos, convenções, simpósios, lançamentos, mostras, exposições e feiras. É mais comum em grandes metrópoles, como São Paulo, Nova York e Berlim, por exemplo.

Turismo de Pesca – Obviamente se trata de uma modalidade que envolve as atividades turísticas decorrentes da prática da pesca amadora. Que pode ser categorizada como esportiva, onde somente os peixes intermediários são liberados para consumo na própria região da pescaria. E há também o pesque-e-solte que consiste no ato de devolver à água todos os peixes capturados. Entre os destinos mais conhecidos nesta categoria estão o Pantanal e a Amazônia. Regiões do estado de São Paulo e Santa Catarina também se destacam.

Turismo de Saúde ou Bem-estar – Constitui-se das atividades turísticas decorrentes da utilização de meios e serviços para fins médicos, terapêuticos e estéticos. Tudo com o intuito de tratar, recuperar e curar. Seja algo físico ou mental. Entre as opções estão Araxá e Poços de Caldas (MG), Gravatal (SC), Rio Quente (GO), Águas de Lindoia, Águas de São Pedro e Olímpia (SP). Sem esquecer, claro de Guarapari (ES) e suas areias monazíticas. No Paraná municípios como Lapa e do interior, ricos em águas sulforosas oferecem opções das mais diversas.

Turismo Desportivo – Apesar de se completarem não deve ser confundido com o turismo de aventura. Já que compreende não apenas a prática, como o envolvimento e observação de modalidades esportivas . É o caso de ir apenas para apreciar um evento como Copa do Mundo. Ou assistir provas da Fórmula 1 ou jogos de futebol, por exemplo. Maiores informações podem ser encontradas acessando https://www.ambitur.pt/turismo-desportivo-ganha-relevo-no-brasil/.

Turismo Religioso – Também focado na busca espiritual relacionado às religiões institucionalizadas. Engloba visitação de lugares, peregrinações, participação de celebrações e retiros espirituais. No exterior os destaques são o Vaticano/Itália, Tibet, Índia, Japão, China, Portugal, Israel e o Caminho de Santiago de Compostela. Já no Brasil tem o amplo leque de opções destaca estados como a Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná.

Turismo Sol e Praia, de Serra/Montanha e de Neve – Cada um com sua característica, esta forma de turismo é focada no estilo de cada destino. No primeiro caso, temos a região do Nordeste brasileiro em destaque, já que ela se consagrou nesta modalidade. Já para o segundo, regiões brasileiras como Campos do Jordão, Serra da Mantiqueira, Serras Gaúchas e Monte Roraima. E, no exterior, a Cordilheira dos Andes, Montanhas Rochosas, Everest, Kilimanjaro e Alpes Suíços. Este último também adequa-se a terceira modalidade, neve. Assim como inúmeros destinos nos Estados Unidos, Canadá e Europa. Entre nossos vizinhos os destaques são Argentina e Chile – e suas estações de esqui. O Paraná tem Curitiba, a capital mais fria do Brasil e explora os deliciosos sabores do frio com muito charme.

Turismo Social – Neste estilo de turismo a prática envolve conhecer o mundo por meio de trabalho voluntário. Há projetos aldeias rurais, orfanatos e santuários de animais. Entre as possibilidades de destinos estão África do Sul, Índia e Tailândia.